Sono na pandemia – Dicas de como dormir bem

Especialistas da Associação Brasileira do Sono dão dicas de higiene do sono

Preocupação e ansiedade tornaram-se queixas ainda mais frequentes pelos brasileiros, em tempos de pandemia.  A mudança da rotina e a necessidade de distanciamento social podem ter efeitos nos sincronizadores do ritmo circadiano, fundamentais para o funcionamento do ritmo biológico. Além de estarem mais preocupadas e ansiosas, as pessoas tiveram mudanças na rotina que tinham ao longo do dia.

Além disso, dormir pouco, privando-se de sono, produz efeitos nocivos à saúde mental, alterando e piorando o humor; funções psíquicas complexas, como tomada de decisões, aprendizagem, memória e pensamento; além do funcionamento do sistema imunológico que, neste caso, é importante para as defesas do organismo contra a Covid-19.

A médica neurologista Dra. Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono, explica que quando o indivíduo apresenta uma predisposição a ter insônia, situações de incerteza e medo podem aumentar o grau de ansiedade e alerta, desencadeando os sintomas de insônia e, quando perpetuados por um longo período, podem se tornar um problema crônico.

“Problemas e preocupações cotidianas que tiram o sono, são os mesmos que se intensificaram neste período de pandemia, como doenças na família ou medo de ficar doente, problemas conjugais, dificuldades financeiras e medo do desemprego”, destaca Dra. Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono. Somam-se a esses fatores o uso excessivo de equipamentos eletrônicos, o consumo abusivo de álcool, de tabaco e de medicações sem orientação médica, inclusive remédios para tentar dormir.

Para a Dra. Andrea Bacelar os efeitos colaterais da Covid-19 na saúde mental e nos distúrbios do sono, em médio e longo prazos, serão conhecidos a partir de estudos e estatísticas que a sociedade médica ainda está construindo. “O que já temos de estudos de fora do Brasil é que a tendência é dobrar. Sabemos que 30% ou um terço da população tem queixa de insônia. A suspeita é que isso dobre”, alerta.

“Temos o cenário de pessoas que eram saudáveis e começam a experimentar agora queixas de insônia, de pessoas que já trataram no passado, estavam assintomáticas e tiveram uma recaída, de pacientes que estavam em tratamento antes da pandemia, controlados, e tiveram uma recidiva do problema; e pacientes que estavam em investigação e o quadro clínico se modificou pelo agravamento da situação social”, detalha Dra. Andrea Bacelar.

 

Dicas para dormir melhor em tempos de Pandemia

Para auxiliar a população nesse desafio de dormir melhor diante desse cenário de incertezas, os especialistas da Associação Brasileira do Sono elaboraram recomendações e orientações de rotina. Seguem algumas dicas:

 

– Estabeleça uma rotina durante o dia

Estar mais tempo no ambiente doméstico necessitando realizar tarefas domésticas e familiares pode não ser sua rotina.

– Estabeleça uma rotina para a noite

A rotina da noite é tão importante quanto a rotina do dia. Assim, mantenha um horário regular de sono, isto é, procure dormir e acordar sempre no mesmo horário. Esse hábito ajudará a manter os ritmos biológicos do seu organismo, fundamentais para o funcionamento saudável.

– Deixe a luz entrar

Exponha-se à luz natural abrindo as janelas de casa assim que acordar para permitir que o ar circule e a luz chegue a você. Estude o horário que o sol bate em sua casa e exponha-se à luz do sol para que possa fixar as vitaminas essenciais à manutenção de sua saúde.

– Cultive o contato consigo mesmo

Adote o uso de um diário ou escreva cartas sobre o que sente ou percebe acontecer em sua vida íntima. Essa prática simples ajuda a promover reflexão e um contato mais profundo com seus sentimentos, além de servir como uma importante válvula de escape.

– Cultive o contato com sua família

Caso more com outras pessoas, familiares ou não, tente manter uma convivência harmoniosa, ajudando e respeitando o espaço e o tempo do outro. Organize-se para terem momentos juntos para além das refeições, que podem ser, por exemplo para assistirem os noticiários diários, uma série ou filmes ou quem sabe um momento de lazer com jogos?

Confira a lista completa das recomendações dos especialistas da Associação Brasileira do Sono no site: http://www.absono.com.br/assets/recqualidadevidaesono.pdf

Serviço

Site: www.absono.com.br

Instagram: @absono

Facebook:@associaçãobrasileiradosono

Twitter: @AbsSono

YouTube: Canal do Sono

Informações para a Imprensa:

 Contato: Luciana Tierno

Celular: 11 93147-1616

@tiernopress

luciana@tiernopress.com.br

www.tiernopress.com.br

30 anos do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente)

Como o cinema pode contribuir para a proteção integral das crianças e adolescentes?

O documentário Mundo Sem Porteira – Um alerta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes aponta caminhos para a prevenção

No próximo dia 13 de julho, celebramos os 30 anos do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, reconhecido como o principal instrumento normativo do Brasil que estabelece direitos e garantias especiais às crianças e adolescentes.

Assinado em 13 de julho de 1990, um dos seus principais avanços foi a concretização do artigo 227 da Constituição Federal (CF), que objetiva a proteção às crianças e adolescentes.

“É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”. (art. 227 da Constituição Federal).

Considerado um dos mais graves problemas que violam os direitos garantidos pelo estatuto, a exploração sexual infanto-juvenil é a principal abordagem do documentário Mundo Sem PorteiraUm alerta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes, disponível nos Canais YouTube; Vimeo e Videocamp.

Dirigido e roteirizado pela cineasta Gisela Arantes, o documentário é reconhecido internacionalmente, recebendo o Certificado de Excelência e o Prêmio de Melhor Fotografia no 4º Indian World Film Festival, além de ser contemplado com a Menção Honrosa do Júri, no 8º Delhi Shorts International Film Festival, na Índia.

“Acredito que o cinema e a cultura em geral, exerçam um papel fundamental nessa perspectiva da prevenção. Por meio da história de Thaís, o Filme revela as experiências de diversas meninas que passaram pela exploração, pelo abuso e o abandono. Com depoimentos de caminhoneiros, organizações para proteção, educadores, especialistas, líderes em Direitos Humanos e jovens engajados, apresenta uma visão multicausal do problema e de como solucioná-lo”, ressalta Gisela.

A Umiharu Produções Culturais e Cinematográficas, que produziu o documentário, lançou também o Guia para Debate, juntamente com a Childhood Brasil, organização social que prestou consultoria técnica ao Filme.

O curta-metragem tem o apoio da Lei Proac do Governo do Estado de São Paulo e os patrocínios da C&A, Gerdau e Klabin. Conta com a fotografia de Luís Villaça e a música original de André Abujamra.

GISELA ARANTES

Cineasta, diplomada pela Universidade Anhembi-Morumbi, formou-se também como atriz pelo Teatro Célia Helena. Capacitou-se como empresária cultural, cursando marketing cultural, gestão do terceiro setor e empreendedorismo, com certificações também pelo Sebrae.

A expertise adquirida durante anos atuando no programa Glub Glub da Rede Cultura, com mais de 700 episódios exibidos, e toda sua experiência como atriz, autora, diretora e produtora de sucesso, aliadas ao conhecimento sobre educação e a formação em cinema, levou Gisela à concepção da Umiharu Produções Culturais Cinematográficas, onde cria e realiza Projetos Culturais, voltados à difusão da cultura humanista, tornando-se uma empresa referência em Economia Criativa.

Dentre os projetos realizados, destacam-se:

Iniciativas socioculturais itinerantes, como: Água, Arte e Sustentabilidade, que recebeu o prêmio internacional científico, Tall Poppies Queesland; O Bloco do Povo Encantado, espetáculo teatral e oficina para educadores, que aborda a diversidade cultural do povo brasileiro.

E os Audiovisuais, cujo mais recente lançamento, Mundo Sem Porteira – um alerta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes, recebeu a Menção Honrosa do Júri no Festival Internacional de Delhi; e Excelência e Melhor Fotografia no 4º Festival Internacional de Cinema da Índia

Serviço:

Filme Completo Mundo Sem Porteira – Um alerta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes: https://bit.ly/2WxMSqf

Site: http://mundosemporteira.umiharu.com.br/

Instagram: @gisela.arantes

Mais informações para a imprensa:

Luciana Tierno

luciana@tiernopress.com.br

11 93147-1616

Igualdade de gênero – mulheres se destacam e ocupam mais cargos de liderança

Na Dr. Localiza, empresa especializada em rastreamento e recuperação de veículos, cerca de 60% das colaboradoras são mulheres e estão na linha de frente

São Paulo, 10 de julho de 2020 – Para que os países latino-americanos se desenvolvam mais rápido, é necessário aumentar as políticas que promovem o emprego de mulheres. É o que apontam os dados da publicação Conjuntura Laboral na América Latina e no Caribe, divulgada em 2019 pela ONU. (Fonte: https://nacoesunidas.org/igualdade-de-genero-no-mercado-de-trabalho-e-crucial-para-crescimento-latino-americano/amp/).

 

Em 2007, a participação feminina em cargos formais no Brasil era de 40,8%, segundo o Ministério do Trabalho. Em 2016, novos dados revelaram que o índice aumentou para 44%. Esse crescimento pode ser relacionado à diminuição do tabu de que algumas profissões não são para mulheres.

 

A área de segurança, por exemplo, se antes era predominantemente masculina, agora já conta com empresas onde esse cenário mudou. É o caso da Dr. Localiza, especialista em rastreamento e recuperação de veículos. Atualmente, dos 239 funcionários, 143 são mulheres. A diretora geral, Patrícia Jardim, completa: “Dentre as 10 posições estratégicas que a nossa empresa possui, seis são lideradas por mulheres, que demonstram ter excelente responsabilidade e comprometimento com suas funções”.

 

A própria diretora é um exemplo desse número e relata sua experiência no setor: “Trabalhar no ramo de segurança não é muito diferente dos demais setores, mas sem dúvidas exige muita disposição e determinação para ter voz ativa em um ambiente predominantemente masculino. Quando você demonstra firmeza no seu conhecimento, fica muito mais fácil obter melhores resultados. O fato da mulher ter uma característica profissional mais voltada para o lado humano permite melhor interação com o time e, consequentemente, resultados mais efetivos. Está muito claro que o gênero não é o fator que faz o profissional se destacar, mas sim a sua vontade e determinação de apresentar os resultados conforme a empresa do colaborador”.

 

No recrutamento, a empresa afirma valorizar os candidatos independentemente de gênero, orientação sexual e idade. “Para nós, o que importa é a pessoa mostrar determinação e vontade de fazer as coisas acontecerem”, finaliza Patrícia.

 

De acordo com a ONU, se mantivermos o mesmo ritmo de crescimento da participação feminina no mercado de trabalho, serão necessários 80 anos para alcançar a paridade de gênero nos empregos e mais de 75 anos para obter a igualdade salarial. (http://www.onumulheres.org.br/noticias/em-artigo-publicado-na-folha-de-s-paulo-diretora-executiva-da-onu-mulheres-chama-atencao-para-a-urgencia-de-acoes-concretas-para-a-igualdade-de-genero/).

 

Serviço:

 

Dr. Localiza

Site: www.drlocaliza.com.br

Facebook: @doutorlocaliza

Instagram: @doutorlocaliza

16 de setembro – Dia Nacional do Caminhoneiro

“Mundo Sem Porteira” alerta sobre a exploração sexual de crianças e adolescentes nas estradas e debate o papel do caminhoneiro frente à causa

16 de Setembro é o Dia Nacional do Caminhoneiro. Nas estradas, o motorista enfrenta horas atrás do volante, longe de casa e com metas a cumprir, e é também no seu trajeto que ele se depara com 2.487 pontos vulneráveis à exploração de crianças e adolescentes. As questões multicausais desse problema nas rodovias federais são abordadas no documentário Mundo Sem Porteira – um alerta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes, dirigido e roteirizado pela cineasta Gisela Arantes, da Umiharu Produções Culturais e Cinematográficas.
O curta-metragem de 27 minutos, disponível no Canal You Tube, trata dos caminhos percorridos em 20 anos para o enfrentamento do problema e aponta as perspectivas de futuro para uma sociedade mais inclusiva e justa.
Os depoimentos dos caminhoneiros no documentário ilustram bem como a informação contribui para mudanças de atitude. Um dos caminhoneiros contou sua experiência nesse sentido. Outro relatou que interviu quando viu uma adolescente em situação de exploração sexual. “Há várias formas de contribuir para combater a exploração, cada um de nós tem seu papel. Denunciar por meio do Disque 100 é uma ferramenta importante, mas sabemos também que precisamos agir sobre as causas, e nesse sentido o conhecimento, o diálogo e os debates coletivos sobre o tema, inspiram novas perspectivas e o compromisso de toda a sociedade”, ressalta Gisela.
O filme conta com a consultoria técnica da Childhood Brasil, organização social que atua há 20 anos no enfrentamento do problema, especialmente nas estradas brasileiras. Além disso, recebe o apoio da Lei Proac, do Governo do Estado de São Paulo e tem o patrocínio das empresas C&A, Gerdau e Klabin.
“Mundo Sem Porteira” é um projeto que tem como carro-chefe o documentário e é acompanhado por um Guia para Debate, elaborado com o intuito de dar suporte para que as empresas, as instituições, educadores, estudantes, cuidadores, e formadores de opinião possam promover uma boa conversa sobre o tema.
Recentemente, o filme adquiriu o Certificado de Produto Brasileiro (CPB), pela Ancine – Agência Nacional de Cinema.
“Sabemos que falar sobre violência sexual não é fácil, mas precisamos conversar sobre isso para gerar as mudanças necessárias. O Guia traz dicas dos assuntos que podem ser explorados durante o debate. No filme, o tema é tratado com muita delicadeza e humanidade”, ressalta a cineasta.
O Guia para Debate do filme Mundo Sem Porteira está disponível para download no site do filme. Clique aqui. 

Assista ao filme.

13 de julho – 29 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

O documentário Mundo Sem Porteira faz um alerta sobre um dos graves problemas que violam os direitos das crianças e dos adolescentes: a exploração sexual nas estradas brasileiras

Como a sociedade pode agir para proteger as crianças e os adolescentes? Em quais pontos avançamos e retrocedemos, após ser sancionado o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que completará no próximo dia 13 de julho, 29 anos de vigência? Considerado um dos mais graves problemas que violam os direitos garantidos pelo estatuto, a exploração sexual infanto-juvenil é o principal alerta do documentário Mundo Sem Porteira, lançado há dois meses pela Umiharu Produções Culturais e Cinematográficas. Para facilitar o debate sobre esse tema complexo e repleto de tabus, a produtora criou o Guia para Debate sobre o Filme, que pode ser baixado por qualquer órgão, instituição ou pessoas interessadas em dialogar sobre o assunto.

O curta-metragem, com duração de 27 minutos, é dirigido e roteirizado por Gisela Arantes. A cineasta ganhou notoriedade ao protagonizar o programa infantil Glub Glub, da TV Cultura, emissora que comemora 50 anos. “Ouvimos diretamente os depoimentos de muitas mulheres que passaram por isso, e que dividiram generosamente conosco as suas memórias. Conversamos com associações de proteção, assistentes sociais e outros expoentes. Recebemos os direcionamentos da Childhood Brasil, consultora técnica do filme, com base também nas pesquisas realizadas em parceria com Universidades Federais”, conta Gisela.
Assim como o Filme, o Guia para Debate conta com a consultoria técnica da Childhood Brasil. No material, são apresentadas as principais estatísticas; dicas para o facilitador; reflexões sobre o Filme e as causas e caminhos para prevenção; como agir para proteger crianças e adolescentes, além de sugestões para o debate.
“Todos temos responsabilidade pelas vidas das crianças e dos adolescentes do Brasil e do mundo”, ressalta Gisela.
O Guia para Debate e o Filme contam com o apoio do Governo Estadual de São Paulo, pela Lei PROAC e com o patrocínio das empresas C&A, Gerdau e Klabin.
Assista ao Filme:
https://www.youtube.com/watch?v=33ES_Sbefxs

Exploração sexual de crianças e adolescentes – Violação de direitos humanos
A exploração sexual de crianças e adolescentes é uma das mais perversas formas de violação da dignidade e de direitos de um ser humano. No Brasil, em particular, onde há um alto índice de crianças e adolescentes em situação de pobreza e miséria, a vulnerabilidade torna-se mais intensa, criando situações favoráveis para que meninos e meninas sejam alvo da exploração sexual.

Estatísticas
– 60 milhões de crianças e adolescentes vivem no Brasil (IBGE, 2010).
– 46% das crianças e adolescentes menores de 14 anos vivem em domicílios com renda per capita até meio salário mínimo (IBGE, 2010).
– 132 mil famílias são chefiadas por crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos (IBGE, 2010).
– 2.487 pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais (PRF, 2017/2018).
– Cerca de 527 mil pessoas são estupradas no Brasil a cada ano. Crianças e adolescentes representam mais de 70% das vítimas. Fonte: IPEA, 2014.
– A violência sexual contra crianças atinge mais as meninas. Denúncias com vítimas do sexo feminino representam entre 71,8% e 83,5%. *Fonte: Disque 100 e Sistema VIVA/SUS.
– A cada hora, pelo menos 4 crianças ou adolescentes são vítimas de violência sexual no Brasil. Apenas 7 em cada 100 casos de exploração sexual de crianças e adolescentes são denunciados (Disque 100, 2012 a 2015).

Gisela Arantes – Roteirista e Diretora do filme
Cineasta, Autora, Diretora, Empresária Cultural, Atriz e Arte-Educadora
Cineasta, diplomada pela Universidade Anhembi-Morumbi, formou-se também como atriz pelo Teatro Célia Helena, e estudou com grandes mestres como Klaus Viana, Denise Stoklos, Luís Alberto de Abreu e J. C. Viola, entre outros. Aprimorou-se em cinema com Caio Gullane, Lauro Escorel, e diversos profissionais em Cinema Total, do Instituto Nacional de Cinema.
Capacitou-se como empresária cultural, cursando marketing cultural, gestão do terceiro setor, e empreendedorismo, com certificações também pelo Sebrae.
A expertise adquirida durante anos atuando no programa Glub Glub da Rede Cultura, com mais de 700 episódios exibidos, e toda sua experiência como atriz, autora, diretora e produtora de sucesso, aliadas ao conhecimento sobre educação e a formação em cinema, levou Gisela à concepção da Umiharu, onde cria e realiza Projetos Culturais. Com atuações na Itália, Portugal, Japão e grande itinerância pelo Brasil, responde pela concepção original, desenvolvimento e gestão dos Projetos com a assinatura da Umiharu.

Sobre a Umiharu
Estimulando a democratização da cultura, oferece criações próprias e projetos sob medida, que geram interação das empresas com a comunidade e o poder público. Com qualidade, inovação, comprometimento e transparência, a Umiharu agrega valor à marca de seus patrocinadores: Coca-Cola Femsa, Rabobank, Usiminas, Gerdau, Nestlé, 3M, Duratex/ Deca, Braskem, Pernambucanas, C&A, Klabin, Novartis, Sandoz, ABN Amro, HSBC, Banco Sumitomo,. Além disso, conta com as parcerias em projetos da ONU Mulheres e Childhood Brasil.
Voltada à criação e difusão da cultura humanista, a Umiharu é referência em Economia Criativa, contando com investimento direto ou por meio das Leis de Incentivo à Cultura. Seus projetos vêm impactando milhares de pessoas: ÁGUA, ARTE E SUSTENTABILIDADE, prêmio internacional Tall Poppies Queesland, 40 mil pessoas, 13 cidades; PROGRAMA DE RÁDIO NA MÃO CERTA, 65 mil DVDs; O BLOCO DO POVO ENCANTADO, sucesso em 5 cidades, 7.000 pessoas; CÉSAR, IMPERADOR URBANO, curta-metragem exibido na Cinemateca Brasileira e em festivais; É VOCÊ QUEM DECIDE, curta-metragem exibido no MIS e circuito; para citar alguns.

Serviço:
Umiharu Produções Culturais e Cinematográficas
www.umiharu.com.br
Facebook: @umiharuproducoesculturais
Instagram: @gisela.arantes
You Tube: www.youtube.com/UmiharuProdCulturais

Informações para a imprensa:

imprensa@tiernopress.com.br

Contato: Luciana Tierno

 

Umiharu lança o filme “Mundo Sem Porteira”

Um alerta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes nas estradas brasileiras. Com esse propósito, a Umiharu Produções Culturais e Cinematográficas lançará, no próximo dia 28 de maio, o documentário “Mundo Sem Porteira”.

O filme, roteirizado e dirigido pela cineasta Gisela Arantes, trata dos caminhos percorridos em 20 anos para o enfrentamento do problema e aponta as perspectivas de futuro para uma sociedade mais inclusiva e justa.

“O jogo de tempo com a ‘maioridade da causa’, aos 21 anos, remete à esperança de maior maturidade da sociedade brasileira em relação à essa conscientização e ação efetiva”, conta Gisela.

Trata-se de um curta-metragem de 27 minutos, com uma visão multicausal do problema e de como solucioná-lo, apresentando diversos depoimentos, dando voz aos caminhoneiros, às organizações para proteção, educadores, especialistas, líderes em Direitos Humanos, jovens engajados, entre outros.

O filme conta com o apoio da Lei Proac do Governo do Estado de São Paulo e o patrocínio da C&A, Gerdau e Klabin.

A consultoria técnica é da Childhood Brasil, organização social que faz parte da World Childhood Foundation, e atua há mais de 20 anos no enfrentamento do problema, principalmente por meio do Programa Na Mão Certa.

“A linha narrativa que permeia os depoimentos se baseia na história real de Thaís. Ela revela as experiências de diversas outras meninas, que passaram pela exploração sexual, pelo abuso sexual e o abandono. Foram muitas vozes ouvidas, representadas pelo drama poético de sua trajetória”, adianta Gisela.

O filme conta com músicas compostas por André Abujamra e Eron Guarnieri e imagens plasticamente belas, do diretor de fotografia Luís Villaça, que revelam o universo das estradas e seus personagens.

Para completar a concepção, a porteira, elemento ficcional que dá nome ao filme, também homenageando Guimarães Rosa, é uma metáfora poética que apresenta um mundo ideal onde as crianças em sua diversidade, brincam e se divertem juntas e livres.

Com base em diversas pesquisas, incluindo as realizadas pelas Universidades Federais do Rio Grande do Sul e Sergipe, apoiadas pela Childhood Brasil, e uma série de depoimentos de mulheres que viveram a exploração sexual na infância e juventude, Mundo Sem Porteira visa despertar a consciência e inspirar a ação para que mais pessoas, empresas e organizações se somem a essa causa.

Assista o teaser: https://www.youtube.com/watch?v=odshi0Tu2nc

Após o dia 28 de maio, o documentário estará no ar no Canal YouTube da Umiharu: www.youtube.com/UmiharuProdCulturais.

Mais informações sobre o filme: http://mundosemporteira.umiharu.com.br

 

Exploração sexual de crianças e adolescentes – Violação de direitos humanos

A exploração sexual de crianças e adolescentes é uma das mais perversas formas de violação da dignidade e de direitos de um ser humano. No Brasil, em particular, onde há um alto índice de crianças e adolescentes em situação de pobreza e miséria, a vulnerabilidade torna-se mais intensa, criando situações favoráveis para que meninos e meninas sejam alvo da exploração sexual.

Estatísticas

– 60 milhões de crianças e adolescentes vivem no Brasil (IBGE, 2010).

– 46% das crianças e adolescentes menores de 14 anos vivem em domicílios com renda per capita até meio salário mínimo (IBGE, 2010).

– 132 mil famílias são chefiadas por crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos (IBGE, 2010).

– 2.487 pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais (PRF, 2017/2018).

– 4.059.137 denúncias de pornografia infantil na internet via Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos nos últimos 13 anos (Safernet, 2019).

– Cerca de 527 mil pessoas são estupradas no Brasil a cada ano. Crianças e adolescentes representam mais de 70% das vítimas. Fonte: IPEA, 2014.

– Calcula-se que menos de 10% dos casos sejam notificados às autoridades. *Fonte: Pesquisa Nacional de Vitimização (2013), SENASP, Datafolha e Crespi.

– A violência sexual contra crianças atinge mais as meninas. Denúncias com vítimas do sexo feminino representam entre 71,8% e 83,5%. *Fonte: Disque 100 e Sistema VIVA/SUS.

– A cada 10 crianças e adolescentes 1 será sexualmente abusada antes de completar 18 anos. *Fonte: ONG Darkness to Light.