Como envelhecer com saúde

Ao envelhecer, a mulher, em especial, está sujeita a duas possíveis perdas importantes: a cognitiva, denominada demência senil  – caracterizada por uma perda progressiva e irreversível das funções intelectuais, como alteração de memória, raciocínio e linguagem, perda da capacidade de realizar movimentos e de reconhecer ou identificar e a perda de mobilidade – podendo desenvolver doenças que comprometem os músculos e ossos, como a osteoporose e possíveis riscos de fraturas. “A  partir dos 40 anos, passamos a perder fibras musculares. A medicina tem se empenhado muito em desenvolver medicamentos para tratar, mas nada para preconizar uma rotina para preservar a massa muscular, a não ser a atividade física.  Alguns medicamentos são prescritos para prevenir a osteoartrite, prevenir dores. Há, também, uma gama de medicamentos para prevenir as fraturas e restrição da mobilidade pós fraturas”, explica a médica endocrinologista Dra. Marise Lazaretti Castro, presidente da ABRASSO. Após os 50 anos, é comum a acentuação da sarcopenia (perda de força muscular), responsável pelo aumento de riscos de osteoartrites e osteoporose. “A atividade física é a principal aliada no fortalecimento dos músculos e dos ossos. Mesmo que não seja regrada, é importante que se pratique algum esporte, nem que seja somente no final de semana. Procure exercer alguma recreação que envolva atividade física. No dia a dia, subir e descer escadas, ou qualquer outra  oportunidade de movimento, como caminhada, andar de bicicleta.  Busque formas que sejam agradáveis. Tem gente que gosta de um jogo, ou algo mais competitivo, ou social, como a dança – uma ótima atividade física tanto para o equilíbrio, como para o músculo e para o osso”, recomenda a especialista.

Infecções de repetição na infância: Diagnóstico e tratamento

A infância é considerada uma fase delicada em relação às infecções e requer atenção a alguns cuidados importantes, uma vez que o sistema imunológico das crianças é mais frágil do que o de adultos, sendo mais frequentes algumas doenças nesta fase da vida.

As defesas do organismo ainda são consideradas imaturas durante a infância, com baixa produção de anticorpos, que são transmitidos pelo aleitamento materno. Essa fragilidade, porém, é maior apenas nos primeiros anos de vida.

“Esta fase é o momento do primeiro encontro do organismo com diversos patógenos ambientais, ao mesmo tempo em que o sistema imunológico ainda não está plenamente maduro para defendê-lo”, explica a Dra. Cristiane de Jesus Nunes dos Santos, médica especialista em alergia, imunologia e pediatra da Clínica Croce.

Abaixo, a médica explica como se manifestam as infecções de repetição na infância e quais as formas de tratamento.

Saúde em Foco – Como essa doença pode ser diagnosticada?

Dra. Cristiane – Diversas causas estão relacionadas ao aparecimento de infecções de repetição, desde diagnósticos simples até alguns bastante complexos. Só uma avaliação especializada envolvendo uma conversa detalhada com seu médico e alguns exames complementares permite o diagnóstico preciso.

Saúde em Foco – Quais são os principais grupos de risco?

Dra. Cristiane – Esses encontros geralmente são mais frequentes e precoces se a criança frequenta creche ou tem irmãos mais velhos, por exemplo.  Nessas situações, uma criança normal pode chegar a ter de 10 a 12 infecções de vias respiratórias superiores em apenas um ano.

Saúde em Foco – Quais os principais sintomas das infecções de repetição?

Dra. Cristiane – Além das infecções recorrentes e atípicas, sintomas como baixo ganho de peso, diarreia prolongada, reações anormais a vacinas e lesões de pele podem fazer parte dos quadros. Como tais defeitos têm origem genética, crianças que possuam familiares com histórico de defeitos de imunidade precisam ser investigadas.

Saúde em Foco – Qual o intervalo entre uma e outra infecção para ser diagnosticada como de repetição?

Dra. Cristiane – Quando essas infecções passam a acontecer de forma muito frequente (intervalos menores que um mês para gripes/resfriados, mais que 2 pneumonias ou mais que 4 otites em um ano), atrapalhando o crescimento e desenvolvimento da criança, ou não respondem ao tratamento de acordo com o esperado (necessidade de uso prolongado de antibiótico, internação hospitalar) é hora de procurar avaliação especializada. A criança pode ter alguma outra condição que aumente a sua susceptibilidade para infecções.

Saúde em Foco – As causas das infecções de repetição podem estar associadas a outras doenças?

Uma condição comum que aumenta o risco de infecções de repetição são alergias não tratadas. Um correto acompanhamento e controle protege a criança da recorrência de episódios infecciosos.

Diversas outras doenças como hipertrofia de adenoide e doença do refluxo gastroesofágico podem contribuir para a recorrência das infecções e merecem atenção adequada. As imunodeficiências primárias, que são defeitos genéticos do sistema imunológico, embora raras, são condições graves que podem se manifestar com infecções de repetição.

Saúde em Foco – Quais as formas de tratamento da doença?

Dra. Cristiane – De acordo com o defeito identificado os tratamentos podem variar desde uso de medicações, reposição de anticorpos, vacinação especial até transplante de medula óssea. Quanto mais precoce seu diagnóstico melhores as chances de tratamento.

 

 

 

A Casa Tombada abre inscrições para o curso de pós-graduação “A Caminhada como Método para a Arte e Educação”

As inscrições podem ser feitas até o dia 16 de março

São Paulo, 01 de março de 2017 – Com início programado para o dia 24 de março de 2017, o curso de Pós-Graduação “A Caminhada como Método para a Arte e a Educação”está com algumas vagas abertas e os interessados ainda podem se inscrever até o dia 16 de março.

A proposta da artista plástica Edith Derdyk, coordenadora do curso, é proporcionar uma experiência à comunidade acadêmica tendo como assunto central o enunciado A caminhada como prática poética, que tem sido a força propulsora de sua pesquisa desde 2002 como artista e orientadora/ coordenadora de encontros teóricos e práticos, ministrando palestras, cursos e oficinas imersivas fora da cidade de SP.

“Essa pós-graduação foi organizada de maneira que possa se estender ao longo de dezoito meses, aprofundando os enunciados formalizados para cada encontro mensal. Cada encontro mensal imersivo (de sexta a domingo) na própria sede da Casa Tombada e também faremos três viagens para fora de São Paulo, ao logo de cada semestre. Cada encontro mensal privilegia um  assunto central: “Caminhada e a história da arte”, “Caminhada e filosofia”, “Caminhada e literatura”, “Caminhada e Ciências”, “Caminhada e as práticas de registro…”, adianta Edith.

“Esperamos que, por meio dessas experiências, possamos criar dispositivos e disparadores, tanto para os artistas, nas suas pesquisas poéticas, pessoais e singulares, como também para o educador de todas as áreas do conhecimento. Que essas experiências lhes sirvam para edificar o modo diferente de entender a relação da educação com todos esses conhecimentos, sempre com a intervenção da arte, pois a arte é o domínio da sensibilidade, da construção da linguagem em torno de ativações sensíveis e conceituais”, afirma.

 

Inscrições

O curso é destinado a artistas e arte educadores, com aulas mensais, aos finais de semana (sextas, sábados e domingos), com carga horária de 420 horas (incluindo TCC).

As inscrições podem ser feitas até o dia 16 de março, no site da A Casa Tombada (www.acasatombada.com.br).

 

Processo seletivo

Após se inscreverem, os candidatos deverão passar por um processo de seleção, que inclui análise de carta de interesse e entrevistas com os coordenadores gerais e do curso.

Matrículas

Os aprovados deverão efetuar as matrículas com apresentação de toda a documentação solicitada entre os dias 20 a 23 de março de 2017.

Mais informações:https://www.acasatombada.com/pos-caminhada-processo-seletivo

 

Agenda

Pós-Graduação “A Caminhada como Método para a Arte e Educação”

Coordenação Geral: Ângela Castelo Branco / Giuliano Tierno

Coordenação do Curso: Edith Derdyk

PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO CURSO:

De 24 de março de 2017 a agosto de 2018

CARGA HORÁRIA:

420 horas (incluindo TCC)

Aulas mensais, realizadas aos finais de semana:

Sextas das 19h às 22h

Sábados das 10h às 18h30

Domingos das 10h às 18h30

Período: 18 meses

Investimento: R$ 640,00 mensais

Desconto de 5% caso a parcela seja paga até a data do vencimento

Inscrições até 16 de março: www.acasatombada.com.br

 

Perfil Edith Derdyk (Coordenadora do curso)

Formada em Artes Plástica pela FAAP,  Edith Derdyk realizou trabalhos gráficos como capas de livros e de discos. Escreveu e ilustrou livros infantis. Publicou dois livros teóricos sobre o desenho infantil, entre outros livros. Tem obras expostas em vários lugares, entre eles a Pinacoteca do Estado de São Paulo.
Em 1990 foi contemplada com a Bolsa para Artes Visuais/FIAT, resultando na exposição Viés, realizada no MASP. Em 1993 foi contemplada com uma bolsa como artista residente pelo MAC-USP, para desenvolver um trabalho por 2 meses, em Vermont Studio Center,USA. Em 1999 foi contemplada com uma bolsa dentro de um programa de pesquisa pela Instituição The Rockefeller Foundation como artista pesquisadora residente em Bellagio Center, Itália (maio/1999). Em 2002 foi contemplada com a Bolsa Vitae de Artes / Fundação Vitae. Foi contemplada pelo APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) categoria Tridimensional do ano de 2002. Em 2004 ganhou Prêmio Revelação de Fotografia/Porto Seguro. Em 2007 foicontemplada com Bolsa como artista residente no The Banf Centre/Canadá.

Atualmente ministra cursos livres e de aprofundamento para professores.
Sobre a Casa Tombada

Lugar de Arte, Cultura, Educação

Inaugurada em 18 de julho de 2015, A CASA TOMBADA abriga debaixo de um mesmo teto salas de aula, ateliês, biblioteca, espaço para exposições e conversas em diferentes formatos. Com caráter transdisciplinar, busca diminuir as fronteiras entre as linguagens artísticas, o fazer e o pensar.

Os cursos e encontros que acontecem na Casa são construídos de forma artesanal e estão voltados para os saberes de experiência dos participantes.

Serviço:

A Casa Tombada

Rua Ministro Godói, 109 – Água Branca – São Paulo

Tel: 11 3675-6661

E-mail: contato@acasatombada.com

www.acasatombada.com.br

Facebook: @acasatombada

 

No vídeo, abaixo, a artista plástica Edith Derdyk fala sobre a proposta do curso:

https://www.youtube.com/watch?v=LRIsZ3wMxhw

 

 

28 de fevereiro – Dia Mundial das Doenças Raras

Nesta próxima terça-feira (28) comemora-se o Dia Mundial de Doenças Raras, caracterizadas por uma ampla diversidade de sinais e sintomas e variam não só de doença para doença, mas também de pessoa para pessoa acometida pela mesma condição.

 

Atualmente, 420 milhões de pessoas enfrentam, no mundo, algum tipo de doença rara – só no Brasil são 13 milhões de pacientes. O número representa de 6% a 8% da população mundial, ou, em termos práticos, a mesma quantidade de habitantes da América Latina.

 

Um grupo dessas doenças raras são as doenças autoinflamatórias, que ganharam importante redefinição na última década com a descoberta dos genes responsáveis por sua origem.

 

De acordo com o médico alergista e imunologista da Clínica Croce, Dr. Leonardo Oliveira Mendonça,   diferentemente das doenças autoimunes clássicas, as doenças autoinflamatórias decorrem de uma inflamação gerada na imunidade inata (natural) e que culmina na formação de uma única citocina inflamatória (citocina é uma proteína que modula a função de outras células ou da própria célula que a gerou, importante para o controle da resposta imune).

 

O diagnóstico dessas doenças, segundo ele, é difícil e representa um desafio na prática médica. No entanto, inúmeras opções, como o uso de sequenciamento genético, surgiram para auxiliar em sua identificação.

 

No vídeo abaixo o médico esclarece quais são as doenças autoinflamatórias:

 

https://www.youtube.com/watch?v=vIxuQ5RZ2Ko&t=73s

Especialista da ABRASSO alerta sobre os vilões dos ossos

Considerados fundamentais para o bom funcionamento do esqueleto, não somente por serem os responsáveis em colocar o corpo em movimento, os ossos protegem áreas nobres do organismo, como o tórax, o coração e o cérebro.

De acordo com a médica endocrinologista Dra. Marise Lazaretti Castro, presidente da ABRASSO – Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo – a fase do envelhecimento, em especial, requer muito cuidado com os ossos, pois os riscos de fraturas aumentam, podendo evoluir para a osteoporose.

A médica explica que os cuidados começam na infância, com alimentação rica em cálcio. “Desde a infância é necessário adotar uma alimentação saudável, rica em cálcio, como o leite, o queijo, o iogurte. A prática da atividade física também é de extrema importância para evitar desde cedo a osteoporose”, alerta a especialista.

Outro fator imprescindível para a boa saúde dos ossos é a Vitamina D. “Cerca de dez  a quinze minutos diários de exposição ao sol é suficiente para evitar a deficiência de Vitamina D no organismo”, recomenda.

Para as mulheres na fase da menopausa, a especialista ressalta a importância de buscar orientação de quais medidas devem ser adotadas para manter a boa saúde dos ossos e evitar a osteoporose.

Abaixo, a Dra. Marise aponta os principais vilões dos ossos:

  • Alimentos que roubam o cálcio do organismo: refrigerantes, especialmente a Coca-Cola; alimentos muito salgados (o excesso de sal contribui para a perda significativa de cálcio extraído na urina); excesso de consumo de proteínas animais.
  • Tabagismo – O indivíduo que fuma possui maior chance de osteoporose e fraturas no futuro, pela própria ação do tabaco e das toxinas nele presentes.
  • Sedentarismo – A falta de atividade física contribui para o enfraquecimento dos ossos.

 

Sobre a ABRASSO

A ABRASSO – Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo, representa a união das três principais sociedades médicas dedicadas ao estudo da osteoporose e do osteometabolismo no Brasil: SBDENS (Sociedade Brasileira de Densitometria Clínica), SOBEMOM (Sociedade Brasileira para Estudo do Metabolismo Ósseo e Mineral) e a SOBRAO (Sociedade Brasileira de Osteoporose).

 

Criada em 2011, conta hoje com cerca de 1.500 associados de diversas especialidades médicas, além de outros profissionais da área da saúde que, juntos, têm a missão de difundir o conhecimento científico, estimular o ensino e a pesquisa e realizar ações preventivas da saúde junto ao público leigo.

 

Serviço:

Twitter: @ABRASSO

Facebook: https://www.facebook.com/abrassonacional/

Site:www.abrassio.org.br

Osteoblog: www.osteoblog.org.br